Joker Molder

Até 30 de março de 2018, nas Carpintarias de São Lázaro em Lisboa, Jorge Molder lança à parede Caras, Mãos, Bocados e Espectros, os naipes do seu Jeu de 54 cartes.

Jorge Molder. Do documentário Entre Imagens (2012), de Pedro Macedo e Sérgio Mah.

Mãos

O ilusionista saltita dentro das cartas, mas não perde mão delas. Este é o trunfo do artista: deter o espetador como refém da estaticidade da imagem, mesmo que todos os sinais remetam para a encenação de um movimento, para uma teatralidade. De camisa branca sob fato negro, corpo branco surgindo da escuridão, o mímico joga às escondidas com o autorretrato, re(a)presentando-se numa pseudo fuga constantemente apanhada num “momento presente (…) de ‘polifurcação’” (ROZZONI 2018, 90).

Continue reading

nome de gente, melodia de pássaro

Verdilhão (carduelis chloris)

Verdilhão/ carduelis chloris (2009-04-02), em Dwingelderveld, Drenthe, Holanda, gravado por Sander BOT (xeno-canto)

Mas o ar tinha uma certa graça e, se bem que a ornitologia do trilo fosse discutível, será que não valia mais a pena começar a aprendizagem de [‘ʒwɐ͂w̃] com um chilrear acessível para depois o encerrar num trilo único de onde nunca mais sairia? (VILLEMAUX 2019, 13)

O primeiro número (#0) de Coreia (fevereiro de 2019) foi lançado na Rua das Gaivotas 6 em Lisboa no passado dia 24 de fevereiro de 2019 e inclui um texto de Cyriaque Villemaux (1988, Offenburg, DE) – “Enfanter le père” (“Inventar o pai”, na tradução de Vieira Mendes) – que parte da “ideia segundo a qual nós também herdamos dos nossos sucessores”.

Continue reading

João Onofre na Culturgest: Baladas de um coveiro

Tony Smith (modelo em 1962, fabricado em 1968) Die

“Six foot under. I didn’t make a drawing; I just picked up the phone and ordered it.”
Tony Smith sobre Die

Um cubo de 6 pés em ¼ polegadas de aço laminado a quente com escoramento interno diagonal”, sendo as dimensões determinadas pelas proporções do corpo humano. Estas são também as dimensões da caixa às portas da Caixa [Geral de Depósitos], antecipando assim – fazendo caixinha – o jogo de referências encaixotadas que atravessa toda a exposição de João Onofre. Como uma matriosca, mas invertida: figura(çõe)s encobertas por covers sucessivos.

Continue reading

Susan Hiller: a passagem de uma testemunha

Susan Hiller passou, a 28 de Janeiro de 2019, para o lado das suas obras, o lugar de receção e emissão de outras vozes.

Continue reading

A voz e o milho

Meal Ticket” é a terceira estória d’ A Balada de Buster Scruggs (2018), filme de Joel e Ethan Coen.

A voz

Abre-se o pano da carroça de Thespis:

I met a traveller from an antique land,
Who said—

Quem o diz – mais do que o dito – causa o pasmo do público que, escasso, se arrebanha sob as frias estrelas para assistir ao anunciado espetáculo. O assombro não advirá tanto da representação, mas da “realidade” física do ator. Torna-se impossível ouvir o dito sem considerar o desditoso:

Two vast and trunkless legs of stone
Stand in the desert. . . .

É essa a figura que o palco deserto ilumina:  um ator quadramputado cuja cara pincelada apenas desvia ao de leve o que a todos consome o olhar – um monólito de gente do qual sobressai, a custo, a loquacidade daquele ser que mal existe para além dessa grandiloquência:

Continue reading

Voz, três solos: invocação

Fátima Miranda: a mulher-xamã


Coincidiu a vinda de Fátima Miranda ao Porto, no dia 14 de Maio de 2017, com a Rua das Carmelitas, 100, e com um ciclo de performances intitulado Solilóquiossinais que só ela, enquanto áugure – que tira presságios do voo e canto das aves –, poderia conjugar nesta sala de plantas suspensas – “carmelo”, do hebraico “karmel” (כַּרְמֶל): jardim – e amplos espelhos repetindo as três janelas ogivadas com vista para a Cordoaria. Sala cheia na penumbra, aguardando o começo

Fátima Miranda. 1992. “Hálito” [excerto], em Las Voces De La Voz.

Continue reading

Voz, três solos: re-fluxo

Nora Turato: fala automática

Imaginem que tentamos recordar um nome esquecido. O estado da nossa consciência é peculiar. Há ali uma lacuna; mas não uma mera lacuna. Trata-se de uma lacuna extremamente ativa. (JAMES, [1842], 542)

Imaginem agora um maremoto de ideias, citações, comentários, elocuções, boatos, interjeições, lamentos, conjeturas, preconceitos…, um chorrilho de informação que parece tudo menos lacunar. O auto-atropelamento do discurso advém de um jogo insaciável de memória e mastigação, de tal forma intensa e verborrágica que a sensação auditiva é, pelo contrário, a de uma transparência, a de uma “branca” ou esquecimento.
Lacuna e preenchimento tendem a confundir-se, como se depreende da citação de William James (1842-1910, EUA), , em cujos Princípios Psicológicos (1892) surge a noção de stream of consciousness, que alimenta e encontra na performance de Nora Turato a sua vocalização. 
O quase oxímoro enunciado por James – “lacuna ativa” – ganha presença em “I’m happy to own my implicit biases [Feliz com os meus preconceitos tácitos], performance de Nora Turato inserida na programação de O museu como performance do Museu de Serralves, no Porto, a 8 e 9 de Setembro de 2018.

Continue reading

Voz, três solos: gorjeio

Ute Wassermann: chilrear humano

Bird talking sintetiza em si a esfera de influência sonora que presidiu ao concerto de Ute Wasserman — “fala de pássaro” no Vale do Ave:

Ute Wassermann, 11 de setembro de 2018: “Canções estranhas & assobios de pássaro”. Concerto no MIEC, em Santo Tirso.

Continue reading

Tosse

Alkantara Festival 2018

A tosse de uma senhora palestiniana

Na sala grande do S. Luiz , preenchendo todo o volume do palco, desce do topo o desenho em perspetiva de três naves (uma central e duas laterais, mais estreitas) definidas por colunas rendilhadas de nervuras cinzentas arabescamente alçadas em ogiva, numa encenação tridimensional de um esboço arquitectónico, à imagem dos desenhos de Giovanni Carlo Galli-Bibiena (1717-1760, IT).  Continue reading

Vocês, humanos

Trompe l’oeil 

Entramos e sentamo-nos numa pequena sala fortemente iluminada, disposta em anfiteatro, com um enorme espelho circular que abarca o reflexo dos nove participantes, cada um com auscultadores. Selecionada a língua, a audio-guia apresenta-nos os seres diante de nós — ou seja, nós próprios — e convida-nos a observá-los(nos) atentamente, inclusive a considerar alguns parâmetros associados àquela espécie, como a longevidade: “Mostre por gestos a sua idade”, “Qual deles irá viver mais tempo?”, “Quem irá desaparecer primeiro?”…

Continue reading