VisoVox: Poesia visual e sonora

De 14 de julho a 30 de setembro de 2018,  na Fundação Eugénio de Almeida, Évora.

A partir de um conjunto de obras de poesia visual e sonora em múltiplos meios – analógicos e digitais –, esta exposição interroga as relações entre som, voz, linguagem, escrita e imagem. Através de uma seleção de trabalhos produzidas nos últimos 50 anos, percorrendo a obra de artistas de referência nacional e internacional, a exposição VisoVox interroga a tensão entre som e escrita como constituintes de espaços poéticos de perceção aural, verbal e visual.

A curadoria está a cargo de Manuel Portela, Américo Rodrigues e José Alberto Ferreira.

 

Pessoa lê o Algoritmo

No próximo dia 13 de junho de 2018, pelas 16h00, no Anfiteatro V (FLUC, 6º piso), Nuno Meireles apresenta «Pessoa lê o Algoritmo: Performance de leitura por Pessoa ele-mesmo de 130 fragmentos do Arquivo LdoD selecionados maquinicamente». Esta leitura assinala os 130 anos de Fernando Pessoa (nascido a 13 de junho de 1888) e os 180 dias do Arquivo LdoD: Arquivo Digital Colaborativo do Livro do Desassossego (publicado a 14 de dezembro de 2017). A organização está a cargo do Programa de Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura e do Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra.

Nuno Meireles é licenciado em Estudos Teatrais pela ESMAE-IP, docente no Curso de Teatro da ESAP e no Curso de Animação e Produção Artística da ESE-IPB. Estreou-se como ator na Expo 98 com o Teatro de Marionetas do Porto. Desde então, colaborou como ator com A Escola da Noite, Seiva Trupe e Teatro Maizum, entre outros. Estudou Biomecânica Teatral de Meyerhold com Gennadi Bogdanov e dirige o Teatro do Filósofo com o Parvo atado ao pé, de exploração de textos de Gil Vicente. Tem desenvolvido atividades de poesia dita, em especial de Fernando Pessoa, de quem encenou e recitou múltiplos textos, de “Tabacaria” à “Mensagem”. Destaca-se “125 poemas nos 125 anos de Fernando Pessoa”, maratona poética nas livrarias da cidade do Porto. Atualmente é estudante do Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura da FLUC, procurando investigar a intermedialidade em Gil Vicente.

SOMOS O QUE ÉS: Leituras de Ana Hatherly

No dia 26 de maio de 2018, Américo Rodrigues e Fernando Aguiar, encontraram-se na Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, para SOMOS O QUE ÉS, leituras de textos de Ana Hatherly.

O evento esteve integrado na exposição «Ana Hatherly – O Prodígio da Experiência», constituída por obras do Arquivo Fernando Aguiar, que se distribui por dois espaços distintos: a Galeria Municipal de Arte de Almada e a Casa da Cerca, que poderão ser visitados até ao dia 9 de setembro.

O Vox Media esteve presente e registou alguns momentos.

Continue reading

Mapping spaces, sounding places: Geographies of sound in audiovisual media

XIV. Symposium zur Filmmusikforschung
 Kieler Gesellschaft für Filmmusikforschung
in collaboration with Università di Pavia – Dipartimento di Musicologia e Beni Culturali (Cremona)

Cremona, 19-22 March 2019

Sound design, film music and music editing in general exert a primary function in conveying senses of space and place in audiovisual media. Strategies for connoting space and place in film sound and music vary with cinematic practices across history and according to transnational patterns of negotiation between global and local modes of production. At the same time audiovisual communication, when rich in local connotations, allows insights into specific socio-historical contexts and the documentation of human geographies. This conference aims to bring together scholars interested in mapping geographies of music and sound practices in audiovisual media (e.g. film, television, video games, interactive art). We invite fresh perspectives on film music and sound that are willing to embrace aspects ranging from individual approaches to space and place to collective geographies, also considering industrial trends and intermedia connections. Cultural, ethnographic, historical, analytical, data-driven and aesthetic approaches are welcome, as well as research on industrial and commercial practices.

Invited speakers:

  • David J. Bodenhamer, Professor of History and Director of the Polis Center (Indiana University – Purdue University Indianapolis, USA)
  • Kevin J. Donnelly, Professor of Film and Film Music (University of Southampton, UK)
    Continue reading

Tuning in to the Neo-Avant-Garde

Tuning in to the Neo-Avant-Garde
Ghent University, Ghent (Belgium), 28-29 November 2018

In the years when the neo-avant-garde emerged, radio was a prominent medium, which offered an unexpected forum not just for art criticism but also for artistic practices, especially in the form of the radio play. Moreover, in the wake of the historical avant-garde, the neo-avant-garde has a strong interest in aural media, in the seemingly autonomous power of sound and voice. Therefore, it is not surprising that postwar avant-garde artists and literary writers in particular started experimenting with the radio play, supported by theories from thinkers such as Rudolf Arnheim, Walter Benjamin, and Bertolt Brecht.

Still, it is remarkable how widespread the neo-avant-garde affinity with audiophonic art actually is. For innovative artists all across Europe and the rest of the world, the radio play provided a playground to think about the semiotic power of the auditive domain, and to challenge artistic conventions as well as the distinctions between different media and genres. Literary writers Ernst Jandl and Friederike Mayröcker created the stereophonic piece of art ‘Five Man Humanity’ in 1968. In 1979, the American avant-garde composer John Cage created Roaratorio, a radio play for electronic tapes, Irish folk music, and voice. In the Netherlands, the experimental poets Lucebert and Bert Schierbeek wrote pieces for the radio. And the French OuLiPo author Georges Perec once said that he found new solutions for his writerly questions in the ‘intrinsic space of the radio drama’. Continue reading

Já só o vento canta

JÁ SÓ O VENTO CANTA, título provisório,  é o mais recente desafio lançado pelo poeta sonoro Américo Rodrigues. Pensado para a 5ª edição do Sons da Cidade, convoca à participação de pessoas de várias idades, nacionalidades ou formações, para a criação de um “coro heterodoxo” que parte da Língua Portuguesa enquanto património imaterial e usa a voz e o movimento dos corpos pelo espaço da Alta de Coimbra para interpretar de forma singular a poética da cidade.

A preparação do espectáculo inclui oficinas de formação e ensaios, que decorrerão entre Abril e Junho, preferencialmente ao fim de semana ou em horário pós-laboral.

As inscrições e/ou pedidos de informação deverão ser enviados para o email sonsdacidade.unesco@gmail.com e continuam abertas até ao próximo domingo, dia 25 de março, data do primeiro ensaio, a partir das 10h30 no Salão Brazil.

Esta é já a 5.ª edição do Sons da Cidade, um evento anual que pretende celebrar a inscrição da “Universidade de Coimbra, Alta e Sofia” na Lista do Património Mundial da UNESCO. A edição deste ano decorrerá entre 22 e 24 de Junho e contará com diversas actividades.

Lançamento MATLIT v.5

cover_issue_248_pt_PT (1)Foi publicado o Volume 5.1 (2017) da revista MATLIT: Materialidades da Literatura. Este número, organizado por Osvaldo Manuel Silvestre e Felipe Cussen, intitula-se “Vox Media: O Som na Literatura”. Além da secção de artigos de investigação, esta edição especial inclui uma seleção de quinze obras sonoras com curadoria de Nuno Miguel Neves e Tiago Schwäbl. As obras selecionadas vão desde poemas e narrativas sonoras a paisagens sonoras e remisturas, incluindo gravações dos seguintes autores: Américo Rodrigues, Alfredo Costa Monteiro, John Bennett, Juan Angel Italiano, Luis Bravo, AG Davis, Álvaro Seiça, Ryan Wade Ruehlen e Mark Amerika, John F. Barber, Jessica Barness e Vince Giles, Sandrine Deumier e Philippe Lamy, Ryan LaLiberty, Vladimir Vladda Miloykovitch, Sara Pinheiro e David Prescott-Steed. Na secção de entrevista, os leitores encontrarão a transcrição de diálogos entre cinco autores chilenos: Martín Bakero, Pía Sommer, Felipe Cussen, Federico Eisner e Fernando Pérez.

Todos os textos se encontram disponíveis em formato html e pdf. Os ficheiros áudio estão disponíveis em streaming e para download. A MATLIT adota uma política de acesso integral livre, podendo todos os textos ser lidos em linha ou transferidos para uso pessoal. O acesso pode ser feito a partir do índice geral.

Miguel Torga por Miguel Torga

Na data da morte de Miguel Torga, 17 de janeiro de 1995, lembrar algumas palavras escritas a propósito da gravação do seu primeiro disco de poesia na editora Portuense, Orfeu:

“Miramar, 12 de Setembro de 1958

Gravar poesia nossa… Entrar numa câmara de silêncio, ler versos, e ouvir depois a própria voz desligada do corpo, sozinha, estranhamente exaltada ou enternecida, ora grave, ora aguda, áspera e suave no mesmo instante, mas sempre aflita, a clamar na solidão da noite como uma alma penada…”
(Diário, VIII, 1959)

R-9060103-1474066959-5534.jpegR-9060103-1474066952-7122.jpeg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Materialidades da Literatura 2017-2018: bolsas de doutoramento

O Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (Programa de Doutoramento FCT) abre candidaturas para a edição com início em 2017-2018 (6 vagas). As candidaturas decorrem, numa única fase, de 8 a 31 de janeiro de 2018 (6 vagas). O Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura (Programa de Doutoramento FCT) atribuirá 5 bolsas de doutoramento para a edição com início em 2017-2018 (2º semestre). Todas as informações podem ser consultadas aqui.

Parlatório

Parlatório é o nome do novo disco de Américo Rodrigues, um dos nomes mais originais e singulares da Poesia Sonora contemporânea e um dos solitários representantes do género em Portugal.

Sobre  a obra, que irá ser lançado brevemente pela Bosq-íman:os, diz o autor

“Há um ano entrevistei demoradamente 7 presos para que me contassem a sua história de vida.A ideia inicial era escrever um livro com narrações daquelas mulheres e homens que estavam a cumprir pena numa prisão do interior de Portugal. Registei em vários cadernos o que de mais importante me disseram (depoimentos de grande autenticidade), sublinhando frases e ligando palavras com setas e outras anotações. O que escrevi foi aquilo que considerei ser o essencial do que ouvi. Histórias de roubos,tráficos, burlas, assaltos, dependências, traições, violências, mortes. Vidas.
A partir desse material de base concebi uma peça de poesia sonora que cruza a minha vocalidade (gritos, sussurros, choros, línguas inexistentes, ruídos bucais, cantos de inspiração étnica, estalidos com a língua, terrorismo fonético, etc.) com a leitura dos apontamentos da conversa com aqueles reclusos (leitura branca, interpretação teatral, enganos, hesitações, alteração de velocidade, silêncios, amálgamas, etc.)
O César Prata gravou tudo. O José Neves vai tratar da “dramaturgia do som” com a ajuda do sound designer Nuno Veiga e o Tiago Rodrigues vai encarregar-se do desenho gráfico.”

Continue reading